segunda-feira, 12 de agosto de 2019

O que é INR ?

A importância deste assunto é grande , principalmente nos pacientes que fazem uso de medicamentos como Marevan, ASS e muitos outros, que são medicamentos anticoagulantes ou anti-agregante plaquetarios.

Antiagreantes plaquetários são fármacos usados para evitar a activação e agregação das plaquetas para prevenir trombose em pacientes de risco. Seu principal representante é o ácido acetilsalicílico (aspirina).

Os anticoagulantes são medicamentos que impedem a formação de coágulos no sangue, porque bloqueiam a ação de substâncias que fazem a coagulação. Os coágulos são fundamentais para cicatrizar feridas e parar sangramentos, mas existem situações em que podem impedir a circulação do sangue, causando sérias doenças, como AVC, trombose e embolia pulmonar, por exemplo.

Assim, os anticoagulantes permitem que o sangue se mantenha sempre líquido dentro dos vasos e possa circular livremente, sendo recomendados para pessoas que sofreram doenças provocadas por coágulos ou que tenham maior risco de as desenvolver. Os mais comumente usados são Heparina, Varfarina e Xarelto, que precisam ser usados com cuidado e sempre com acompanhamento médico, pois se o seu uso for incorreto, há maior chance de desenvolver sangramentos graves.
 
O tempo de protrombina (TP) ou tempo de atividade da protrombina (TAP) e seu derivado índice internacional normalizado, também conhecido como razão normalizada internacional (INR), são medidas laboratoriais para avaliar a via extrínseca da coagulação. Em outras palavras, é um exame usado para determinar a tendência de coagulação do sangue. O tempo de protrombina normal é de cerca de 11 a 14,6 segundos. Quanto maior for o TP, menor será a concentração de protrombina no sangue. O TP mede quase que exclusivamente o fator VII.
Como quatro fatores da via extrínseca são vitamina K dependentes (fatores II, VII, IX e X) o teste é também muito usado para monitoramento do uso de anticoagulantes orais.

Tempo de protrombina
Expresso em segundos. Somente quando o paciente faz uso de anticoagulante oral (desde que não seja em fase inicial de tratamento) o teste será avaliado pelo índice internacional normalizado (INR ou RNI). Nos outros casos a avaliação se dá pelo tempo de protrombina.


Índice internacional normalizado (INR)
Como são usados diferentes tipos de fator tissular na obtenção do TP, a Organização Mundial de Saúde preconizou o uso do índice internacional normalizado (INR ou IIN) para padronizar mundialmente o resultado obtido durante o teste. Isso significa que o resultado do INR é praticamente o mesmo se usado em diferentes laboratórios no mundo inteiro. O INR é o TP corrigido a padrões mundiais. O uso de anticoagulantes orais é avaliado somente pelo INR.
Para o cálculo do INR cada fabricante do fator tissular fornece o ISI. Normalmente o ISI fica entre 1,0 e 1,4.
 

sexta-feira, 21 de junho de 2019

Neuralgia induzida por cavitação osteonecrótica - Neuralgia inducing cavitational osteonecrosis

A neuralgia pela NICO é uma doença que tem inúmeras causas, como trauma, infecções, o emprego de anestésicos locais com vasoconstritores que diminuem o fluxo sanguíneo no interior do osso, a aplicação direta e/ ou indireta de metais pesados, de corticosteroides, pós-cirurgias bucais, o uso de nicotina e problemas de coagulação. O diagnóstico baseia-se na história clínica associada à qualidade da dor, duração, resposta terapêutica normalmente ineficaz ao uso de diferentes neuromoduladores. Emprega-se, como exames complementares, radiografia periapical padrão da área a ser investigada, radiografia panorâmica, tomografia computadorizada que podem demonstrar, ou não, focos radiolúcidos uniloculares. O exame cintilográfico apresenta normalmente área de hipercaptação. O tratamento pode ser clínico conservador utilizando anticoagulantes, injeções de antibióticos no local, ou cirúrgico, promovendo o sangramento local por osteotomia ou ostectomia, dependendo do grau e extensão da NICO.


quinta-feira, 14 de março de 2019

O que é Artroscopia, Artroplastia e Artrocentese da ATM.


Artroscopia é uma técnica que permite a visualização do interior de uma articulação com o uso de um artroscópio.


1 - Artroscopia diagnóstica — Certas características clínicas e da história do paciente devem ser consideradas antes de indicar o tratamento cirúrgico. Primeiro, a fonte principal da dor e disfunção deve ser articular e não miálgica, como ocorre com freqüência na chamada síndrome miofascial. Em segundo lugar, deve-se tentar o tratamento conservador por um tempo razoável antes de indicar-se cirurgia. Finalmente, o controle do estresse, se necessário, deve ser instituído e mantido antes do tratamento artroscópico. De modo geral, as indicações da artroscopia diagnóstico são: 1) dor pre-auricular inexplicada persistente e dor na ATM; 2)confirmação clínica nos casos de hipermobilidade, hipomobilidade, estalos e crepitação; 3)invasão tumoral local; 4) artrite sistêmica com envolvimento da ATM. O microtrauma crônico produzido por forças maxilares hiper ou parafuncionais freqüentemente produzem uma história clínica longa de diminuição da mobilidade mandibular e impotência funcional, refratárias ao tratamento conservador. Esta hipomobilidade pode significar luxação anterior irredutível do disco, sinovite crônica, condromalácia, doença articular degenerativa ou artrite sistêmica. Nestes casos, podem ser obtidas informações diagnósticas significativas através da artroscopia.

2 - Artroscopia cirúrgica — As indicações gerais são: a) desarranjos internos ou artropatias refratárias a outras terapêuticas; b) doença articular que requeira biópsia; c) sinovite; d) adesões discossinoviais; e) doença articular degenerativa.
Como indicações específicas, temos: a) deslocamento anterior irredutível do disco, agudo ou crônico, através da liberação capsular anterior, lise de adesões, lavagem articular e manipulação distal; 2) hipermobilidade que requeira lise, lavagem, redução distal e possível cauterização por eletrocautério ou escleroterapia da inserção posterior; 3) desbridamento articular; 4) tratamento da lesão capsular traumática evidenciada por hemartrose, adesões ou fibrose. Possibilidade de injeções intraligamentares sob visão direta.



Artroplastia operação de uma articulação para restituir-lhe o maior grau possível de integridade, mobilidade e função. Do grego ( arthron- + -plastos ) arthron = articulação e plastos = modificação do formato, reconfiguração.  É um procedimento cirúrgico, realizado sob anestesia geral, com a finalidade de modificar alguma estrutura interna ou mesmo reanatomizar a ATM. É um tipo de cirurgia usada desde o início do século XX  para tentar tratar as anquiloses  de ATM, que ocorrem quando um osso se une ao outro impedindo a articulação de funcionar. Inicialmente os cirurgiões tentaram utilizar gordura,  rebatimento de músculo e até materiais artificiais para impedir os ossos de voltarem a se unir após a cirurgia. Com o passar dos anos, muitas variações técnicas foram aparecendo com as mais diferentes finalidades inclusive a substituição da ATM por próteses. Atualmente, é muito comum de ser oferecida a pacientes que possuem muitas deformidades na articulação, incluindo a anquilose e a pseudo-anquilose.

Artrocentese da articulação temporomandibular consiste na lavagem do espaço articular superior da ATM, realizada sem a visão direta do mesmo, com a finalidade primária de limpar a articulação dos tecidos necrosados, sangue e mediadores da dor (Barkin, Weinberg, 2000). A artrocentese da ATM foi primeiro descrito por Nitzan et al. (1991) como sendo a forma mais simples de intervenção cirúrgica da articulação temporomandibular, com objetivo de liberar o disco articular e romper as adesões formadas entre as superfícies do mesmo e a fossa mandibular, através da pressão hidráulica criada pela irrigação do compartimento superior da ATM.
As indicações para artrocentese descritas na literatura são: deslocamento do disco articular com redução ou sem redução, limitação da abertura bucal de origem articular, dor articular e outros desarranjos internos da articulação (Nitzan, 1991). Dentre os procedimentos cirúrgicos da ATM, a artrocentese apresenta mínima morbidade, pouco risco de complicações e baixo custo em relação a outros procedimentos cirúrgicos e pode ser realizada sob anestesia local em nível ambulatorial (Hasson, Levy, 1999).






quinta-feira, 7 de março de 2019

Carnaval Sem Traumas: 10 mandamentos da folia saudável

As cirurgias decorrentes de traumas aumentam de 40 a 60% no Carnaval. De olho nisso, varias  entidades médicas  lançam campanha educativas que reúnem estratégias para evitar machucados e também para manter a saúde.
Como não poderia deixar de ser, os acidentes de trânsito são os grandes causadores de fraturas sérias, há um crescimento de 20 a 30% (crescimento médio) na quantidade de batidas durante o Carnaval.

O Consumo de bebidas alcoólicas e o aumento no fluxo das estradas estão entre os principais responsáveis por esse dado. 

Nesses dias de folia, muita gente esquece a saúde e só pensa em cair no samba. Apresentamos uma lista dos “10 mandamentos da folia saudável”, para nenhum folião botar defeito. Confira o que recomendam os especialistas:
1 – Use roupas leves, além de ajudar na movimentação o que pode evitar quedas, em meio aos blocos com grande aglomeração de pessoas, evita a perda de líquido em maiores níveis. 
2 – Prefira alimentos saudáveis. 
3 – Hidrate-se bem. 
4 – Beba com moderação. 

5 – Cuidado com energéticos. Evite a perigosa e muito comum mistura de álcool com energético. Como o energético é um estimulante, pode aumentar o efeito do outro e mascarar os efeitos do álcool que acontecem na fase inicial, como euforia, sonolência e o relaxamento.
6 – Proteja-se do sol. 
7 – Evite saltos. Aproveitar a folia sem salto alto é a melhor opção. O salto é responsável por uma postura inadequada que pode piorar ou provocar dores na coluna e/ou quedas com fraturas que podem ir do punho, cotovelo ou face.

8 – Ouvidos atentos. Não fique muito próximo às caixas de som. As medições costumam revelar índices muito altos que podem prejudicar a audição.
9 – Longe do spray. O famoso spray de espuma pode esconder perigos reais aos olhos , alem de ser inflamável.
10 – Sexo só com proteção. 

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

ATM: Os principais sintomas das disfunções da articulação temporomandibular (DTM)

O movimento de abrir e fechar a boca é uma das dinâmicas mais presentes na nossa rotina, fazemos isso o tempo todo para falar, comer e às vezes até mesmo respirar. Mas e se esse movimento simples se tornasse complicado ou doloroso?  É o que vivencia quem sofre com disfunções da ATM, a articulação temporomandibular que controla o movimento da mandíbula.

Nesses casos, podem ocorrer diversos problemas na hora de movimentar a boca, como dores, estalos e até inchaço.
As disfunções da ATM podem ter diversas causas. Entre elas, fatores emocionais, como estresse, tensão e ansiedade, até mesmo por questões físicas, como alguma batida ou deslocamento ou mesmo um hábito errado, tais quais roer as unhas ou usar um lado mais do que o outro. Além disso, o problema pode ser tanto muscular quanto algum deslocamento na articulação, seja do disco de cartilagem que a protege ou mesmo do osso.
Os tratamentos variam conforme o problema. Têm muitas técnicas modernas, como toxina botulínica quando há problemas musculares, placa miorrelaxante em casos como o bruxismo ou a cirurgia em último caso, quando há deslocamento do disco ou necessidade de viscossuplementação. Apenas um cirurgião dentista especializado no assunto pode descobrir o que está causando o problema. Para ajudar citamos abaixo os principais sintomas das disfunções da ATM.

1. Dor no rosto e de cabeça

dor é um sintoma muito comum das disfunções da ATM, mas pode ser um sintoma já tardio. Essa dor, no entanto, não tem um local específico da face para aparecer. Na maioria das vezes ela aparece próxima ao ouvido, no local onde fica a ATM, mas também pode ser nas têmporas ou parte frontal da testa.
As dores de cabeça são comumente confundidas com enxaquecas, até por costumar aparecer em pontadas. Por isso, vale a pena consultar um neurologista se a causa do problema não for encontrada.

2. Dor no pescoço e ombros

A dor das disfunções da ATM também pode se irradiar para o pescoço e ombros. Isso ocorre devido à proximidade que os músculos ligados à ATM estão dessas regiões. Os músculos do corpo interagem entre si, o que irradia a dor, principalmente a causa por tensão muscular.



3. Maxilar travado

O maxilar travado pode ser um evento isolado ou um sintoma de disfunção da ATM. Nesses casos, quando o paciente abre a boca para comer, a cabeça da mandíbula sai da posição e não volta. Normalmente é preciso ir no cirurgião-dentista para que um especialista consiga colocar a articulação de volta ao lugar. Depois de reposta no lugar, é importante que o paciente investigue melhor a causa do problema. Se esse travamento do maxilar se torna algo recorrente, a única solução é se submeter a uma cirurgia para correção do problema.


4. Mordida incomoda

Um sintoma comum das disfunções da ATM é a dificuldade em mastigar. Normalmente a mastigação ocorre sempre no mesmo ponto dos dentes, quando a pessoa tem uma disfunção da ATM, em alguns casos, as mordidas podem não ocorrer em um mesmo lugar, o que é desconfortável, nestes casos há uma necessidade de avaliação de um ortodontista.

5. Sons de estalo ou chiado ao abrir a boca

Mesmo que a mordida não doa, o paciente pode começar a sentir estalos e até mesmo chiados ao abrir a boca. Nem sempre estes estalos ou chiados doem, mas eles podem ser bem incômodos quando escutados a todo instante. Normalmente isto está ligado a disfunções do disco de cartilagem da ATM. Entre a cabeça e a mandíbula há um disco de proteção, um tecido mole feito de cartilagem,esse disco pode ser deslocado ou desgastado, e aí o encontro dos ossos gera estalos.

6. Inchaço na lateral da face

Um sintoma pouco comum, mas bem característico das disfunções de ATM é o inchaço do rosto. Esse sintoma costuma ser o músculo hipertrofiado e fica bem evidente quanto afeta o músculo masseter, que encobre a lateral da mandíbula e as bochechas, devido a sua extensão, ele pode até mesmo deixar um dos lados do rosto mais quadrado.


7. Zumbido no ouvido

Um sintoma pouco comum, mas muito relacionado às disfunções da ATM, é o zumbido no ouvido. Há uma proximidade muito grande entre o ouvido e os dentes, então quando a oclusão não é perfeita, isso pode gerar um problema mandibular que se reflete no ouvido.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

A Origem da Odontologia no Brasil e no Mundo

A Odontologia tem uma história curiosa no Brasil e no Mundo. Essa prática começou a ser desenvolvida no século XVI, ainda de modo bastante improvisado.

No início, as técnicas de tratamento odontológico estavam baseadas apenas nas extrações dentárias rudimentares. Os instrumentos utilizados eram inadequados e faltava higiene.

As técnicas de extração eram praticadas por barbeiros ou sangradores, homens fortes e ágeis, sem nenhum estudo ou técnica. Os pacientes, quase sempre, corriam riscos de hemorragias e infecções.


No Brasil, em 1631, uma Carta Régia determinou que cirurgiões e barbeiros sem licença fossem multados em dois mil réis por tirar dentes. Os profissionais que tinham as licenças especiais concedidas pelo Cirurgião-Mor Mestre eram os únicos que podiam praticar as técnicas sem qualquer tipo de problema.

Já no mundo, a odontologia foi impulsionada pelo francês Pierre Fauchard, considerado o criador e pai da odontologia moderna. O ensino da Odontologia foi regulamentado primeiro em países da Europa, e mais tarde no Brasil. Aliás, a Europa foi citada como o berço da prática Odontológica.

Em 1728, o médico Pierre Fauchard escreveu o livro "Le Chirurgien Dentiste au Traité des Dents", que marcou o estudo da odontologia e trouxe novas técnicas, conhecimentos e aparelhos para esta área da saúde.

Instrumental cirúrgico Pierre Fauchard


Surgimento do termo Dentista no Brasil

Em 23 de maio de 1800, o Brasil criou um Plano de Exames para a área de odontologia. Este documento foi o primeiro emitido pela Coroa Portuguesa com o termo dentista. Este foi considerado o início da arte dentária como profissão no Brasil. Neste período ainda não existia uma formação ou diploma para a área no país.

Evolução da Odontologia

Os franceses foram os profissionais mais especializados na arte dentária e produziram importantes escritos para a área. Em seguida, os Estados Unidos também começaram a evoluir na odontologia e a substituir muitas técnicas criadas na França. O dentista Clintin Van Tuyl, por exemplo, foi o primeiro a utilizar o clorofórmio para anestesia.

No Brasil, a odontologia foi impulsionada por Thomas Gomes dos Santos Filho, que colaborou na criação de um texto para os Estatutos das Faculdades de Medicina do Império, no qual aparecia pela primeira vez o Curso de Odontologia. Em 1884, o país conquistou a formação na área odontológica.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

SÍNDROME DO FINAL DE ANO: NÃO DEIXE A CORRERIA ACABAR COM VOCÊ!

Quando o ano “dobra a esquina” e começa o 4º Trimestre, a vida entra numa correria tão grande que a gente só se dá conta do tempo quando janeiro está quase terminando. É como se, num piscar de olhos, o tempo acelerasse e nos levasse diretamente para o futuro, já no ano seguinte.
Outubro tem a famosa semana do saco cheio (para quem estuda), que inclui o feriado do Dia das Crianças (ou Nossa Senhora Aparecida). Logo na sequência vem Novembro (na minha opinião, um dos melhores meses do ano dado o número de feriados, isso quando você pode viajar...), que já começa com o Dia de Finados, segue com a Proclamação da República e ainda – para os mais privilegiados – com o Dia da Consciência Negra. Uma sequência de feriados e, com sorte, dias quentes de primavera. Pá! Já estamos em dezembro e isso só pode significar uma coisa: correria de final de ano.
Entra o mês de dezembro e a gente já tem uma lista imensa de coisas pra fazer: decidir sobre as férias (quem sai, quem fica, quem dá plantão, quem cobre as férias de quem), decidir sobre as festas (passar a noite de natal com quem, o almoço com outro quem, a virada do ano com mais outro quem), entrar ou não entrar em incontáveis amigos secretos, sonhar em como gastar ou investir o 13º salário (quem tem), revisar as contas e diminuir (ou quitar) as dívidas, embarcar ou não em uma viagem (já que os preços vão às alturas), fazer a lista de presentes (os que a gente quer e os que a gente vai dar para os outros), agendar aquela cirurgia do paciente que te enrola o ano inteiro ai aparece querendo fazer no dia 23/12....rs!, marcar jantares, encontrar os amigos, reservar um espaço na agenda para a festa da clinica, mandar e-mails (ou cartões),… A lista vai longe (e inclui aquela promessa de vida saudável, equilíbrio trabalho versus lazer, exercícios e dieta...emagrecer).
O mais difícil é quando a gente se dá conta de que o ano acabou e não fizemos nem metade do que planejamos.
Quando o ano termina, penso em tudo o que aconteceu, faço uma revisão mental do que foi bom ou ruim, listo o que mudaria e o que quero para os próximos anos. Isso me ajuda a entender o quanto consegui atingir os meus sonhos e metas daquele ano e a traçar um novo horizonte para o novo que irá iniciar.
Encontrei meus amigos o tanto quanto gostaria? Se a resposta for não, depois de refletir e tentar entender os motivos, já sei que no próximo ano vou ter que me dedicar mais a esta parte para não me decepcionar novamente.
Eu juntei o dinheiro que prometi? Consegui fazer aquela viagem com a qual eu tanto sonhava? 
Tento fazer esse exercício pensando em todos os aspectos da vida que são importantes. 
Que tal começar a sua revisão agora, e aproveitar os feriados que virão pela frente para adiantar algumas coisas que te sobrecarregam no final do ano e ainda traçar as metas para o próximo?

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Indicação de exodontia de pré-molares para ortodontia


Meu ortodontista pediu para extrair um dente, isso se torna um drama frequente nos tratamento ortodônticos.

Já há bastante tempo lança-se mão de exodontias em Ortodontia, seja em casos de elementos dentários supranumerários, de terceiros molares para os quais não há espaço para irrupção ou correção de linha mediana. Entretanto, o motivo pelo o qual mais se utilizam extrações dentárias no tratamento ortodôntico é o alinhamento; nos casos de apinhamento moderado a severo, a fim de se evitar o efeito colateral da protrusão dentária e para a correção de má oclusão de classe II. Tais extrações podem ser de dois ou de quatro dentes, sempre em busca da manutenção ou melhora do perfil.


A extração dos primeiros pré-molares são as que mais resultam em alterações no perfil, por isso deve ser muito bem planejadas para cada caso. O alinhamento e nivelamento e também as mêcanicas de fechamento de espaço após exodontias, sofrem interferência do atrito durante a movimentação. Sendo assim, o ortodontista deve sempre procurar eliminar os fatores que interferem na movimentação, e aproveitar os artifícios existentes.  Os casos de indicações de exodontia tornaram-se bastante criteriosos, baseados em fatores como padrão facial, características do sorriso, crescimento vertical, entre outros e há necessidade de uma maior análise em casos limítrofes.

Pode ser indicada exodontias para corrigir linha média.
dente pré molar em vermelho marcado para exodontia.

Pré molar extraido.